quarta-feira, 18 de julho de 2007

Mariscos e outros frutos do mar

Sou fissurada por mariscos. Por isso foi um deleite para mim o tempo que estive em terras chilenas. Afora os outros pratos, vinhos e demais bebidas, a riqueza de pescados e mariscos que se tem por lá é incrível. Não imaginava que fosse uma cozinha tão interessante. O registro das outras infinidades de novidades que provei vai ficar pra outra hora, agora o que quero é mostrar os frutos do mar.

A verdade é que a viagem já foi há algum tempo e até hoje sofro as consequências dela: carrego ainda os quilos que ganhei, já que não sou muito de me privar de comida.

Os locos (abalon chileno) são caracóis marinhos encontrados na costa marítima do Chile e que tem venda controlada pelo governo. Comi esse molusco algumas vezes. Difícil de descrever, mas ele tem uma carne consistente, e para que fique blandito (macio) é preciso que se bata a carne para prepara-la. Costuma-se comer acompanhado de maionese e salada (locos mayo). Confesso que antes de comer tinha com um certo preconceito, já que sabia se tratar de um prato apreciado e caro, mas que era comido geralmente com maionese. Depois entendi a combinação. Só comendo mesmo. :)

Os mariscos são consumidos em empanadas, caldos, mariscal, e no que mais sua imaginação permitir.

Experimentei também a centolla, um crustáceo que parece um caranguejo, mas enorme!

O congrio foi o peixe que mais vi por lá. Tem também a venda no Brasil, mas eles são menores e parecem um pouco menos vermelhinhos. Fiquei até curiosa para saber o porque disso, e de onde vêm os congrios vendidos por aqui, mas ainda não descobri.

Locos. Para quem quiser saber um pouco mais, aqui tem um link com artigo em espanhol sobre o molusco.

Congrio, peixe muito consumido por lá, de uma carne muito boa. Mercado de Coquimbo.

Variedade de mariscos a venda no mercado de Coquimbo.

De quebra ainda trouxe um brinde que ganhei na Vinha Concha Y Toro. Compramos três Casilleros del Diablo e levamos esse livro, que tem fotos realmente lindas dentro. Fico babando cada vez que folheio. Como ainda tenho machas (outro marisco encontrado no Chile) em conserva, vou usá-lo pela primeira vez quando for prepará-las.



7 comentários:

Marcia disse...

Ah, Flavia, o Carmenere! E centoias, e todos os locos! Muito muito bom mesmo. Apareça sempre

El Titiritero disse...

Os Locos são chamados por esse nome por ísso. Para que fiquem macios (blanditos) é preciso bater. Não vejo a hora de provar essas machas :P

Elvira disse...

Tanto que eu gosto de comida que vem do mar...! Ou não seria eu portuguesa... ;-)

Duly disse...

Eu também sou fã dos frutos do mar.Sempre saudável e saborosa

walther dorighelo disse...

Oi Flavia,
Estava pesquisando sobre a culinária de frutos do mar em Santiago / Chile quando acessei seu blog.
Sou Professor mas cozinheiro pro hobby e apaixonado por frutos do mar.
Estaremos viajando para Santiago em breve e gostaria que vc nos desse recomendaç~eos quanto a restaurantes especializados em Centola, Locos, Polvos, etc.
Walther Dorighelo
Natal / RN / Brazil
Fone (84) 3642-1712
e-mail: waltherdorighelo@hotmail.com

Romildo Guerrante disse...

Flavia, estou em Santiago e te explico o que aconteceu com o congro rosa no Brasil(aqui se chama congrio, como você registrou). Eles migraram da Patagônia para o litoral brasileiro, especialmente o de Santa Catarina, há cerca de 20 anos, talvez pelas mesmas razões que levam os pinguins a passear em Ipanema: mudança climática.
Peixe muito saboroso, que aqui perde para a raineta, de sabor ainda mais delicado. A centolha está ficando difícil de pescar, está rareando, o preço está subindo muito,no Mercado Central os espertalhões chegam a cobrar US$ 200 por um prato desse caranguejo gigante. Mas os bons restaurantes da cidade - como o exótico Ocean Pacific e o Escuela - cobram em torno de US$ 20 por uma centolla inteira no prato.

Sara disse...

Esses mercados de artesanato bonitas são as poucas coisas belas deixados neste mundo para comprar essas coisas. Nós mantê-los vivos, porque aqui a mercadoria é comprada garra par fresco e pronto e comprar, por exemplo, alguns restaurantes em jardins para que possamos consumir todos os frescos do mar.