quinta-feira, 3 de abril de 2008

Imcompatibilidade alimentar

Achei que essa reportagem da Folha de São Paulo levantou uma questão interessante: a incompatibilidade alimentar entre os casais.

Não posso dizer que sofremos, eu e o Mario, desse problema. Porém, embora a gente compartilhe de gostos e impulsos parecidos, temos nossas diferenças. Ele tem a pentelhice de me elencar todos os benefícios da cebola cada vez que me recuso a come-la crua e ácida. Não gosto do gosto persistente e amargo da cebola crua na boca. E o fedor, então? E tem o alho: se está cru ou exageraram nele, não tenho graaandes problemas com o sabor, mas fico com a sensação de indigestão por um bom tempo. Eu já avisei minha família inteira de que o Mario não gosta de bacalhau, sardinha, atum enlatado e aliche. Depois de várias situações engraçadas e pensando que ele tem um imã para esses peixes, já deixei todos precavidos para que ele não se sinta constragido a comer nada disso de novo. :)

O link para a reportagem está aqui.

2 comentários:

El Titiritero disse...

Graças a deus temos compatibilidade quase total, é normal que cada um tenha seus gostos. Mas deve ser muito dificil conviver com alguem que tenha uma dieta especial, mesmo quando isso é em virtude de problemas de saúde pior se for por puro capricho e mimo. Te amo linda.

Fabrícia disse...

Um excelente tema....aqui em casa concordamos com quase tudo quando se trata de culinária....o grande dilema ainda é a sopa...mas com muito carinho chego lá. Afinal de contas se fosse tudo igual não teria graça.
Bjcas.